domingo, 24 de julho de 2011

O que é a Medicina Interna? (18)

A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON

1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sozinhas.
3) Se a Medicina Interna não existe qual é a especialidade do Dr. House?
4) A Medicina Interna continua central e com sentido enquanto à habitual expressão dos Cardiologistas "isto não é do coração" (ou dos Pneumologistas dizendo que não é do pulmão, ou dos Nefrologistas dizendo que não é dos rins, ...) se continuar a suceder que não pode dizer "isto não é de Medicina Interna". É que não ser de Medicina Interna só pode significar não ser da Medicina. 
5) Como que facilidade um subespecialista diagnostica uma doença que se apresenta com sintomas ou sinais de outro órgão? Por exemplo, o doente que emagrece por caquexia cardíaca não pede ajuda ao cardiologista, pede ajuda a quem se dedica à perda de peso. Ora esse médico, suponhamos que um endocrinologista, muitas vezes não sabe cardiologia que chegue para detectar com fiabilidade uma insuficiencia cardíaca não congestiva. 
6) Se a sobreposição de competências é reconhecida entre especialidades (cardiologia nuclear entre a Medicina Nuclear e a Cardiologia, Análises Clínicas entre Patologia e Farmácia, cirurgia da mão entre Ortopedia e Plástica) porque suscita dúvidas a especialidade da sobreposição: a Medicina Interna?
7) A que especialidade entregar as doenças sistémicas que atingem vários órgãos simultaneamente?

8) Para além das suas especificidades a Medicina Interna tem competências cognitivas suficientes para tratar uma fração muito importante das doenças frequentes doutras especialidades, facilitando a gestão de hospitais de pequena e média dimensão, incluíndo a quase totalidade dos hospitais privados.

O que é a Medicina Interna? (17)

A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON

1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sozinhas.
3) Se a Medicina Interna não existe qual é a especialidade do Dr. House?
4) A Medicina Interna continua central e com sentido enquanto à habitual expressão dos Cardiologistas "isto não é do coração" (ou dos Pneumologistas dizendo que não é do pulmão, ou dos Nefrologistas dizendo que não é dos rins, ...) se continuar a suceder que não pode dizer "isto não é de Medicina Interna". É que não ser de Medicina Interna só pode significar não ser da Medicina. 
5) Como que facilidade um subespecialista diagnostica uma doença que se apresenta com sintomas ou sinais de outro órgão? Por exemplo, o doente que emagrece por caquexia cardíaca não pede ajuda ao cardiologista, pede ajuda a quem se dedica à perda de peso. Ora esse médico, suponhamos que um endocrinologista, muitas vezes não sabe cardiologia que chegue para detectar com fiabilidade uma insuficiencia cardíaca não congestiva. 
6) Se a sobreposição de competências é reconhecida entre especialidades (cardiologia nuclear entre a Medicina Nuclear e a Cardiologia, Análises Clínicas entre Patologia e Farmácia, cirurgia da mão entre Ortopedia e Plástica) porque suscita dúvidas a especialidade da sobreposição: a Medicina Interna?

7) A que especialidade entregar as doenças sistémicas que atingem vários órgãos simultaneamente?

quarta-feira, 20 de julho de 2011

O que é a Medicina Interna? (16)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON



1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sozinhas.
3) Se a Medicina Interna não existe qual é a especialidade do Dr. House?
4) A Medicina Interna continua central e com sentido enquanto à habitual expressão dos Cardiologistas "isto não é do coração" (ou dos Pneumologistas dizendo que não é do pulmão, ou dos Nefrologistas dizendo que não é dos rins, ...) se continuar a suceder que não pode dizer "isto não é de Medicina Interna". É que não ser de Medicina Interna só pode significar não ser da Medicina. 
5) Como que facilidade um subespecialista diagnostica uma doença que se apresenta com sintomas ou sinais de outro órgão? Por exemplo, o doente que emagrece por caquexia cardíaca não pede ajuda ao cardiologista, pede ajuda a quem se dedica à perda de peso. Ora esse médico, suponhamos que um endocrinologista, muitas vezes não sabe cardiologia que chegue para detectar com fiabilidade uma insuficiencia cardíaca não congestiva. 

6) Se a sobreposição de competências é reconhecida entre especialidades (cardiologia nuclear entre a Medicina Nuclear e a Cardiologia, Análises Clínicas entre Patologia e Farmácia, cirurgia da mão entre Ortopedia e Plástica) porque suscita dúvidas a especialidade da sobreposição: a Medicina Interna?

segunda-feira, 18 de julho de 2011

O que é a Medicina Interna? (15)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON

1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sozinhas.
3) Se a Medicina Interna não existe qual é a especialidade do Dr. House?
4) A Medicina Interna continua central e com sentido enquanto à habitual expressão dos Cardiologistas "isto não é do coração" (ou dos Pneumologistas dizendo que não é do pulmão, ou dos Nefrologistas dizendo que não é dos rins, ...) se continuar a suceder que não pode dizer "isto não é de Medicina Interna". É que não ser de Medicina Interna só pode significar não ser da Medicina. 

5) Como que facilidade um subespecialista diagnostica uma doença que se apresenta com sintomas ou sinais de outro órgão? Por exemplo, o doente que emagrece por caquexia cardíaca não pede ajuda ao cardiologista, pede ajuda a quem se dedica à perda de peso. Ora esse médico, suponhamos que um endocrinologista, muitas vezes não sabe cardiologia que chegue para detectar com fiabilidade uma insuficiencia cardíaca não congestiva. 

domingo, 17 de julho de 2011

O que é a Medicina Interna? (14)



A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON

1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sozinhas.
3) Se a Medicina Interna não existe qual é a especialidade do Dr. House?

4) A Medicina Interna continua central e com sentido enquanto à habitual expressão dos Cardiologistas "isto não é do coração" (ou dos Pneumologistas dizendo que não é do pulmão, ou dos Nefrologistas dizendo que não é dos rins, ...) se continuar a suceder que não pode dizer "isto não é de Medicina Interna", se se tratar de doença não cirúrgica nem psiquiátrica com impacto global. É que não ser de Medicina Interna só pode significar não ser da Medicina.

domingo, 10 de julho de 2011

O que é a Medicina Interna? (13)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON

1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sózinhas.

3) Se a Medicina Interna não existe qual é a especialidade do Dr. House?

sexta-feira, 1 de julho de 2011

O que é a Medicina Interna? (12)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON2006

1) A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...
2) A antevisão do fim da Medicina Interna fazia parte de um mundo em vias de extinção - o mundo do deslumbramento com a tecnologia e a ilusão de que a TAC, o Ecocardiograma, a RM e mil sucedâneos nos diriam o que os doentes tinham sem margem para dúvidas. Lamento anunciar mas as peças de xadrez continuam a não jogar sozinhas.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna? (11)

A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo CON2006

1)A Medicina Interna desaparecerá no mesmo dia em desaparecer o curso de Medicina e nascerem os cursos de Endocrinologia, Nefrologia, Intensivismo...

2006

segunda-feira, 27 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna? (10)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006



1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capitulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo
5) Os Internistas sabem mais cardiologia que os gastrenterologistas mas como sabem menos de gastro que eles, são o melhor cardiologista que alguém podia escolher para se tratar do estômago...
6) O que seria então a Medicina Externa?
7) Sendo os internistas o "core business" do Serviço de Urgência e tendo na mão, aparentemente, a distribuição dos doentes, ainda assim sempre que há que decidir se um doente é da Medicina ou de outra especialidade, são os médicos dessa especialidade quem decide (p.e. é a Neurologia que decide se um doente é da Medicina ou da Neurologia. Após negociação zero.)
8) Se a Medicina Interna existe porque é que os internistas andam de sapatilhas?
9) À velocidade a que progride o conhecimento até as especialidades se estão a dividir em sub-especialidades : é impossível manter qualquer tipo visível de competência nas "especialidades generalistas", mesmo que nestas os médicos se dediquem mais a uma àrea específica.
10) Quando os internistas adoecem escolhem para os tratar especialistas.

2006

domingo, 26 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna? (9)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006
1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capitulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo
5) Os Internistas sabem mais cardiologia que os gastrenterologistas mas como sabem menos de gastro que eles, são o melhor cardiologista que alguém podia escolher para se tratar do estômago...
6) O que seria então a Medicina Externa?
7) Sendo os internistas o "core business" do Serviço de Urgência e tendo na mão, aparentemente, a distribuição dos doentes, ainda assim sempre que há que decidir se um doente é da Medicina ou de outra especialidade, são os médicos dessa especialidade quem decide (p.e. é a Neurologia que decide se um doente é da Medicina ou da Neurologia. Após negociação zero.)
8) Se a Medicina Interna existe porque é que os internistas andam de sapatilhas?
9) À velocidade a que progride o conhecimento até as especialidades se estão a dividir em sub-especialidades : é impossível manter qualquer tipo visível de competência nas "especialidades generalistas".

2006

O que é a Medicina Interna? (8)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006
1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capitulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo
5) Os Internistas sabem mais cardiologia que os gastrenterologistas mas como sabem menos de gastro que eles, são o melhor cardiologista que alguém podia escolher para se tratar do estômago...
6) O que seria então a Medicina Externa?
7) Sendo os internistas o "core business" do Serviço de Urgência e tendo na mão, aparentemente, a distribuição dos doentes, ainda assim sempre que há que decidir se um doente é da Medicina ou de outra especialidade, são os médicos dessa especialidade quem decide (p.e. é a Neurologia que decide se um doente é da Medicina ou da Neurologia. Após negociação zero.)
8) Se a Medicina Interna existe porque é que os internistas andam de sapatilhas?

2006

O que é a Medicina Interna? (7)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006
1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capitulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo
5) Os Internistas sabem mais cardiologia que os gastrenterologistas mas como sabem menos de gastro que eles, são o melhor cardiologista que alguém podia escolher para se tratar do estômago...
6) O que seria então a Medicina Externa?
7) Sendo os internistas o "core business" do Serviço de Urgência e tendo na mão, aparentemente, a distribuição dos doentes, ainda assim sempre que há que decidir se um doente é da Medicina ou de outra especialidade, são os médicos dessa especialidade quem decide (p.e. é a Neurologia que decide se um doente é da Medicina ou da Neurologia. Após negociação zero.)

2006

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna? (6)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006
1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capitulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo
5) Os Internistas sabem mais cardiologia que os gastrenterologistas mas como sabem menos de gastro que eles, são o melhor cardiologista que alguém podia escolher para se tratar do estômago...
6) O que seria então a Medicina Externa?

2006

terça-feira, 21 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna ? (5)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006

1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capitulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo
5) Os Internistas sabem mais cardiologia que os gastrenterologistas mas como sabem menos de gastro que eles, são o melhor cardiologista que alguém podia escolher para se tratar do estômago...

Competitividade - índices

A capacidade de certos serviços atrairem internos é um melhor índice da qualidade desses serviços do que a sua capacidade para atraírem doentes "fora de área"?

sábado, 18 de junho de 2011

Competição entre serviços de saúde

O problema de permitir à luz do dia a existência de competição, nomeadamente entre os hospitais, é que em saúde, pelo menos no nosso estadio de desenvolvimento, o aumento da oferta gera aumento da procura.

Tendo o Estado necessidade de gastar menos em saúde pelo simples facto de que não tem recursos, aumentar a procura num sistema financiado pelo Estado não parece uma alternativa que se possa generalizar. Pode e deve fazer-se em áreas claramente deficitárias mas não de forma generalizada.

Contudo alguma competição é salutar e devem desenvolver-se estratégias para promover essa competição.

Como promover a competição leal sem aumentar generalizadamente a procura?

Colaboração e lealdade 2

Apesar de a empatia reversa ser um assunto complexo, devo dizer que quem dirige seja o que for tem sempre o problema da existência de múltiplos filtros entre a realidade e o decisor.

As pessoas dizem-nos muitas vezes o que imaginam queremos ouvir. Outras vezes dizem-nos coisas para obter um efeito que almejam. Outras dizem-nos coisas que verdadeiramente não se dirigem a nós mas tão só se dirigem para cima.

Uma das dificuldades do decisor é conhecer a realidade.

As opiniões que expresso aqui têm a vantagem de não serem nem politicamente corretas nem vendidas a interesses inconfessáveis. Assim são uma janela pouco frequente para o funcionamento de um mundo largamente desconhecido na sua intimidade - o mundo da Medicina clínica. Quem procura a verdade pode ganhar em encontrá-la.

Colaboração e lealdade

Quando "aceitei o desafio" de colaborar num blog como este sabia que corria alguns riscos. 

O primeiro desponta do facto de que este blogue nasceu como um blogue político, apesar de acreditar que o projecto de se diversificar se vai concretizar. Política ideológicamente conotada e Medicina são uma mistura poucas vezes saudável. Esperemos que esta seja um desses casos. A situação agravou-se porque o blogue nasceu em período pré-campanha e é hoje evidente que uma das suas motivações (é o que penso e espero não ofender ninguém) era contribuir para o derrube de José Sócrates, respondendo, julgo entender, a um apelo que milhares e pessoas não filiadas em partidos políticos sentiram de resposta patriótica ao que sucedeu nos últimos 6 e principalmente nos últimos 2 anos. Tentarei distinguir o qie é opinião política ideológica que publicarei na página mãe do blogue daquilo que é mais do foro da Medicina que deixarei por aqui.

O segundo origina-se no facto de que, dirigindo eu uma Unidade de Cuidados Intensivos de um Hospital Central (terciário,) ter de ter especial cuidado em não infringir os meus deveres de médico e de dirigente da administração pública. Em Portugal a liberdade é da espessura duma folha de papel e nem na academia se olha com bons olhos quem tem opinião própria, quem não se limita a ser um seguidista, a principal característica dos carreiristas.

Ao decidir estender a minha colaboração ao governo no que toca à política geral de saúde enfatizo ambos os riscos supracitados. Faço-o por dever de cidadão e de médico e estou disposto a pagar o preço necessário.



Ideias para Paulo Macedo

Irei deixar algumas ideias ao novo Ministro da Saúde. Pondero até fazer-lhe chegar algumas por mail. Decidirei posteriormente.

Não me pronuncio ainda sobre a nomeação.  No país em que gostaria de viver improvavelmente um gestor seria Ministro da Saúde. Mas em Portugal e numa área da complexidade da Medicina o impacto da ação do governo português é relativamente modesto. O núcleo duro da política de saúde entra através da fronteira.

O Ministro tem a vantagem aparente de ser uma pessoa doutra divisão quando comparado com a ministra que sai e que era confrangedora.

Tem, como todos os ministros, direito a um período de graça. Do meu lado dar-lhe-ei lealdade e colaboração.




O que é a Medicina Interna ? (4)


A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006

1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é
4) Os tratados de Medicina não têm nenhum capítulo de "Medicina Interna", mas têm inúmeros das especialidades que existem mesmo

2006

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Jorge Sampaio

"Nunca percebi porque é que sendo Santa Cruz um exemplo de excelência na Medicina Portuguesa o governo nunca investiu no seu crescimento. Quem impediu que se reforçasse? Quem impediu que crescesse? O inimigo! Não sei precisar quem foi ao certo, mas governo após governo, só posso dizer que concerteza foi o inimigo."


Jorge Sampaio PR (citado de memória, na sessão dos 25 anos do HSC - a mesmíssima em que Correia de Campos decretava aquilo que viria a ser o fim da Experiência Santa Cruz)

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna? (3)



A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006

1) 
Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de familia nunca referem doentes à Medicina Interna
3) Se existisse não se perguntava tanto o que é que é


QUESTÕES MAIS FÁCEIS DE RESPONDER DEPOIS DO DR. HOUSE (REPOST 2006)

O que é a Medicina Interna? (2)

A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006
1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos
2) Os médicos de família quase nunca referem doentes à Medicina Interna






QUESTÕES MAIS FÁCEIS DE RESPONDER DEPOIS DO DR. HOUSE (REPOST 2006)

quarta-feira, 15 de junho de 2011

O que é a Medicina Interna?

A MEDICINA INTERNA NÃO EXISTE
argumentário cumulativo PRO2006
1) Os pais dos Internistas não sabem explicar aos amigos qual a Especialidade dos filhos








QUESTÕES MAIS FÁCEIS DE RESPONDER DEPOIS DO DR. HOUSE (REPOST 2006)

Doenças que já me enganaram

Mulher de 32 anos. Antecedentes irrelevantes. Residente em Bruxelas. Magra.

Odinofagia de intensidade crescente, com emagrecimento de cinco Kg por diminuição da ingestão alimentar, apesar de apetite mantido. Fatigabilidade moderada. Várias consultas de Clinica Geral, ORL, Gastro, análises, EDA, TACs num hospital de referência em Bruxelas.
Múltiplas idas ao SU em Portugal e não só, a última foi em Cuba, durante período de férias, onde, uma vez mais, após analgesia lhe foi administrado diazepan.

Sem outras queixas após revisão exaustiva. 
Dado anamnésico chave: as queixas eram mais intensas de manhã abrandando um pouco ao longo do dia.

EO com duvidosa hiperémia faríngea.

Resolução completa após inicio de esomeprazol.

DOENÇAS QUE JÁ NÃO ME ENGANAM (DIGO EU): DRGE / DREGE

terça-feira, 14 de junho de 2011

Questões menos pertinentes cinco anos depois

Imaginemos um hospital ideal. Todas as especialidades estão presentes. Todas as sub-especialidades. Todas as competências. Que doentes deviam ser entregues à Medicina Interna?
REPOSIÇÃO DE POST XLO 2006

Planeta UCI

Associada à questão da morte na UCI há uma segunda questão, não exactamente coincidente : a dos doentes que só são viáveis na UCI. Atingem um novo estado homeostático : não sobrevivem no Planeta Terra mas fazem-no numa variante : a UCI. Não estão verdadeiramente instáveis; não se lhes augura nenhuma tragédia a prazo visível.
Precisam de uma atmosfera com 50% de O2 em vez de 21%.
A bomba ventilatória funciona melhor em pressão positiva. A sua clearance bronco-alveolar, principalmente se assistida pela cinesiterapia, é razoável no transporte até à traqueia mas precisam de ser aspirados a esse nível. A sua imunidade é suficiente, apesar de tudo, e quando falha respondem bem aos antibióticos . O esvaziamento gástrico é incompetente mas uma sonda pós-pilórica resolve esse assunto. Não se mobilizam sozinhos mas enfermeiras competentes garantem a integridade cutânea. Não têm solução interna para os produtos finais não voláteis do metabolismo, mas a Nefrologia arranja-lhes uma três vezes por semana.
Não podem ser transferidos para unidades de cuidados continuados ou de ventilados crónicos pois a questão não é apenas a ventilação.
São pessoas de um outro planeta, alienígenas contra vontade que entre nós não podem sair dessa nave intensiva e enfrentar com autonomia a natureza.


REPOSIÇÃO DE POST XLO 2006

Quem deve entrar na UCI ?

"a imposição de critérios de admissão na UCI é um caminho. Falta cumprir esses critérios... " diz um leitor identificado.

Concordo.
Em relação ao não preenchimento de critérios de admissão numa UCI interessam no nosso caso específico os doentes "demasiado doentes para beneficiarem dos Cuidados Intensivos" - a mortalidade esperada é demasiado alta à entrada! São geralmente doentes ventilados nas UCINTs e em que há uma enorme pressão não apenas médica mas administrativa para que sejam transferidos posteriormente para a UCI. Existem ainda os que se deterioram, dentro da unidade, para além do que é reversível. Aos primeiros deve-se tentar fechar a " porta" mas é nos segundos que as coisas são mais dificeis.

Infelizmente temos também o problema contrário : doentes que não estão "suficientemente doentes" para beneficiarem da UCI e ainda assim são internados.

Seria interessante, no HSC, comparar a morbilidade (nomeadamente renal), a mortalidade e o tempo de internamento dos transplantados renais que vão para a UCI no pós-op. não complicado com os que vão para UCINTs. Suspeito que não haja diferença. Felizmente este problema melhorou recentemente com o aumento da capacidade de internamento da Cirurgia Geral em UCINT "limpa".

É claro que se levanta sempre outra questão real : de facto alguns doentes que não têm critérios de "gravidade que chegue" para beneficiarem da UCI podem não ter alternativa legítima no HSC ...

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Justo?

Começou por se nascer sempre nos hospitais "da terra". Parecia uma promoção justa. Demorou a que o pai pudesse estar presente, mas finalmente essa prática generalizou-se. Depois passou a nascer-se no bloco de partos do Serviço de Obstetrícia mais próximo (ou a caminho dele) - inevitavelmente muitas vezes distante mas com melhor ciência. Era um progresso. Entretanto a morte, o outro telómero, foi, ela própria, exigindo promoção hospitalar. Não parecia tão justo mas parecia inevitável.
Finalmente, depois de se passar a morrer "sempre" nos hospitais, esboça-se um novo "avanço" : morrer sempre nos Cuidados Intensivos. Morrer um órgão de cada vez. Morrer rodeado de sofisticada tecnologia como o século pede. Com poucas visitas mas muitas exigências. Morrer distante da dignidade que se teve. Morrer só.
Justo?

POST REPOSTO DO BLOG XLOSTREETJOURNAL 2006